Terapia das Essências Florais

Virginia Lopes Sampaio

Palestra Proferida na CÂMARA DOS DEPUTADOS/DF

Auditório do Espaço Cultural Zumbi dos Palmares

(06 de agosto de 2001)

             O que é essência floral? É remédio vibracional ou fito terapia sutil. Feitos de flores silvestres não cultivadas preparadas no próprio laboratório da natureza de maneira alquímica – trabalhando com os conceitos dos quatros elementos da natureza: água, terra, fogo (luz solar) e ar.

             As flores são colhidas pela manhã no ápice de sua floração. São colocadas numa vasilha de vidro que contém água da fonte - água mineral. Ficam expostas ao sol durante 2 a 3 horas. A energia curativa da flor passa para a água.

             Depois começa as diluições desta água que contém padrão energético da planta, a força vital, até chegar à solução estoque.

             É desta solução estoque que os terapeutas usam, indicando para seus clientes de acordo com a personalidade de cada um.

O uso é via oral, são gotas de pura tintura energética, é energia vital.

Existem essências florais de vários sistemas. A primeira delas: essências florais do Dr. Bach, depois outros sistemas foram criados por pesquisadores de várias regiões do mundo, fundamentado no  princípio do Dr. Edwardo Bach. Exemplos: sistema floral Californiano; sistema floral de Minas; sistema floral Australiano;  sistema floral do Alaska; sistema floral Saint Germain; etc.

             Como atua a terapia das essências florais? A terapia da essência floral ou vibracional faz uma ligação do homem com a natureza. Faz a ligação corpo e mente – unidade. Possibilita o balanceamento do estado de ânimo. Atua no corpo físico, no corpo psíquico e no corpo energético (na medicina chinesa: chácras e meridianos).

             Traz o indivíduo para o tempo presente - aqui e agora - não se culpa pelo o passado, ocupa o presente e não se preocupa com o futuro.

             A terapia da Essência Floral ou vibracional faz uma ligação homem/natureza e com a unidade corpo/mente, incluindo conceitos fundamentais da filosofia de Edwardo Bach (o criador das essências florais) sobre doença e saúde. É perceber o homem num grande campo de energia cósmica.

             O principio desta filosofia sobre saúde está relacionada com a trilogia do Eu Espiritual ou alma, compreendida como missão que o indivíduo traz quando nasce, o seu potencial; Eu Superior que funciona como mediador entre o Eu Espiritual e o Eu moral; Eu moral ou personalidade, características da personalidade adquiridas pelo sistema familiar e social.

             No texto de Edward Bach - Algumas Considerações Fundamentais Sobre Doença & Cura – publicado pelo jornal Homeopatic Word em 1930 escreve: “A doença é o resultado de um conflito que surge quando a personalidade se recusa a obedecer aos ditames da alma e há desarmonia entre o Eu Espiritual ou Superior e a personalidade inferior, que é como nos conhecemos.”.

             Como explicar então o efeito de uma essência floral, extraída de uma flor (que só contém energia), na conduta humana?

             Como explicar que a terapia floral é elemento de transformação e abre canal de comunicação homem/natureza, corpo/mente, no grande campo de energia cósmica?

             A concepção das flores conterem “forma-pensamento” e que a planta representa o que de equivalente há em nós, contendo uma expressão exata de “algo” que é parte geral da humanidade. Esta afirmação pode ser comprovada cientificamente?

             Durante séculos a ciência dividiu o homem em corpo e mente e excluiu de seus estudos as percepções sensórias – o sentir humano, por não poder ser medido.

             Numa concepção holística o homem por ser natureza está inseparavelmente ligado em alguma coisa e faz parte do grande campo de energia cósmica ® Ecossistema.

             A Ciência do Sentir, de Maria Beatriz Breves Ramos, nos traz uma nova concepção do ser humano, se baseando em conceitos da física quântica, relativística, biologia, da psicanálise e das artes. Esta teoria está dentro do código da ciência e inclui a percepção sensorial – o sentir humano.

             Neste contexto vê a matéria como uma manifestação vibratória (massa e energia são aspecto da mesma coisa – matéria é energia e energia é matéria), compreendendo a natureza como redes de complexos campos de energia - interconexões. Uma concepção do ser humano como complexo vibratório macromicro – uno inteiro e indivisível.

             A ciência do sentir não trabalha com as essências florais. A ciência do sentir desenvolve sua teoria numa visão dos fenômenos da natureza humana ligada ao universo. É transdiciplinar.

             Absorver conceitos da ciência do sentir e principalmente o conceito macromicro é um “achado”.

             Nota: Visualizei a solução de um conflito pessoal que vinha dividindo o meu ser no caminho da ciência, como psicólogo-psicanalista; e no caminho da alquimia, com formação e estudos em terapia floral (essências vibracionais), isto em 1990.

           Neste novo campo da ciência permite fazer a complementaridade da psicanálise com a terapia floral, sendo possível criar uma nova maneira de ser terapeuta floral e psicoterapeuta, se baseando na teoria da Ciência do Sentir.

             Uma explicação sintética dos conceitos macromico, ressonância, dimensão H e dimensão h da ciência do sentir:

A natureza é macromicro, mas devido à condição humana ser limitada na sua relação com a natureza criando uma divisão de universo em macrocósmico e microcósmico.             Macrocósmico ® faz parte do nosso plano perceptível; visível; está no campo da matéria ou massa; faz parte dos estudos da física clássica; da biologia. Microcósmico ® nossa percepção não alcança; invisível; faz parte dos estudos da física moderna (quântica) e relativista; mundo subatômico.

             Todo ser vivo é composto por átomos. As células são compostas por átomos. O homem é composto por células, logo por átomos.

             Na teoria da ciência do sentir o nível macrocósmico se manifesta no indivíduo como biológico. E o nível microcósmico se manifesta no indivíduo em como psicológico. Então o “psíquico é bio e o bio é psíquico”, não existe uma separação corpo e mente. “Psíquico é corpo e corpo é psíquico”- macromicro- uno inteiro e indivisível.

             Como temos uma limitação em relação à percepção da natureza macromicro – uno inteiro e indivisível. Nós só percebemos indiretamente o nível micro pelo sentir humano. Vemos a natureza macro e micro de maneira separada. Da mesma forma, apesar de sermos macromicro, nós  nos vemos separadamente.

             A prática terapêutica que lida com o campo vibracional ou energético do indivíduo atuando no sistema macromicro e por causa da limitação em relação à percepção da natureza macromicro, esta prática tende a ser recusada pela ciência. A terapia floral por ser macromicro atua no campo vibracional do sujeito macromicro.

             As essências florais são mensagens vibracionais são energias sutis.

             Cada ser vivo tem a sua dimensão de assimilação da natureza. Isto é, todo ser humano tem a dimensão H que representa as suas limitações de perceber ou assimilar a natureza e está representa no mundo externo. A dimensão H significa dimensão Humana.

             Podemos dizer que existem mais sons na natureza que o homem não ouve ou não suporta ouvir. Como também a nossa visão, como também o olfato. Cada ser vivo possui a sua limitação sensorial e varia em relação ao alcance do campo vibracional. O gato percebe o mundo na sua dimensão G de gato ou dimensão M de morcego e assim por diante.

             Quando se fala dos seres vivos da natureza, o reino vegetal faz parte deste sistema, então incluo a dimensão “F” que é a da flor. A planta sente de forma diferente de nós, mas sente, pois é um ser vivo.

             A planta representa o que de equivalente há em nós. - Linguagem das flores. Numa visão milenar e simbólica, as flores representam sentimentos da alma humana, fazendo um vínculo com a mensagem das forças vitais da natureza. Neste contexto, a planta representa o que de equivalente há em nós, contendo uma expressão exata de “algo” que é uma parte geral da humanidade.

             Nota: O filósofo, escritor e cientista antroposófico Goeth(1749-1832), pesquisou e estudou o reino vegetal, descobrindo a existência de vida exterior dos vegetais. A planta é aberta, na sua superfície e suas folhas estão expostas e permeáveis às forças de fora, estando entregue ao mundo. O vegetal a cada momento  é atravessado pelas influências do mundo, da geografia, do seu habitat, da humanidade, enfim do Universo Cósmico.

             Numa analogia, a flor tem uma forma/pensamento, não significa que a planta pensa, mas elas guardam a memória da humanidade em suas células, as experiências passadas, reproduzidas pela perpetuação das espécies. Assim podemos fazer a leitura das flores tendo personalidades semelhantes as dos homens, aproximando dois reinos: vegetal e humano. Nesta analogia podemos usar o conceito de sinatura das plantas que estuda sua forma, seu habitate seu movimento, sua representação simbólica, sua linguagem(representando mensagem).

             O campo de ação das dimensões é vibratório é macromicro – uno inteiro e indivisível.

             A natureza interage em movimentos vibratórios – interação universal.

             A extinção do macaco ou da formiga ou de algum vegetal, enfim qualquer outro elemento da natureza afetaria o ecossistema terrestre, interferindo em todo o planeta e universo. O todo interfere na parte assim como a parte interfere no todo – Holismo.

             Aprofundando um pouco mais na concepção das dimensões, Ramos, fala da dimensão “h” pequeno, que representa o mundo interno, ou subjetivo de cada homem.

             Esta realidade psíquica é individual, porque quantos indivíduos existirem quanto ou quantas dimensões h pequeno existirão. Seria o timbre de cada pessoa, a freqüência vibratória de cada um.

             Exemplo: uma pessoa pode olhar para uma cor e sentir bem estar, pela representação que tem desta cor. A dimensão h é a realidade psíquica de uma pessoa. Cada pessoa terá a sua realidade psíquica em relação àquela cor – pode provocar desprazer para outro sujeito.

             Voltando para a dimensão F de flor, podemos fazer a mesmo encadeamento em relação à dimensão f pequeno daquela flor. Cada flor terá o seu timbre, a sua representação e irá sentir de seu jeito o seu habitat - forma /pensamento da flor. Por exemplo, a flor beijo (nome popular ) vive num habitat que fica sempre em caminhos do tipo beira de estrada ou rio, seu formato expressa a sua maneira de sentir o mundo externo. Seu crescimento é prolífero e rápido. As flores surgem como pequenas explosões de cores delicadas e vivas e nas sementes as cápsulas estufadas, que estouraram com um leve toque, se lançando no ar. Esta flor impatiens (nome científico) é uma das essências dos remédios do Dr. Bach. Esta essência floral atua na virtude do pioneirismo e o defeito é a pressa de se lançar, pois a forma/pensamento é se lançar na estrada da vida.

Edward Bach diz: - “Cada essência floral representa uma virtude e um defeito”.

             Outra explicação seria a relação que o indivíduo pode ter com a planta quando lida com ela e entra em ressonância com ela e, sentir suas necessidades. O botânico sabe disto ou o homem do campo.

             A natureza interage. Estamos falando de rede de interação. Estamos falando de ressonância. Então o fenômeno da ressonância ocorre quando um agente externo entra numa mesma freqüência do outro agente. Diante disto podemos afirmar que a terapia da essência floral é uma ciência das flores e, por isso mesmo, elas irão atuar na conduta humana, devido à ressonância que provoca no processo da terapia floral.

             Cada terapeuta floral irá trabalhar de acordo com seus conceitos e sua dimensão h, como também com a sua formação profissional: medico psicólogo ou psicanalista, massoterapeuta, educador, etc.

             Pode se usar a essência floral somente para aliviar sintomas ou como agente de transformação do indivíduo. Mas para se dar o processo de transformação, precisamos atuar na causa da doença, na personalidade do indivíduo, na potencialidade da alma humana.

Edwardo Bach escreveu: “A doença é o resultado de pensar errado e agir errado e cessa quando a ação e o pensamento são corrigidos. Quando a lição da dor, do sofrimento e da aflição é apreendida, não mais existe propósito da presença da doença e ela automaticamente desaparece”.

             Sigmund Freud o criador da psicanálise, formulou a sua teoria e revela o inconsciente, utilizando como técnica a interpretação do discurso contraditório do sujeito. Esta contradição esconde o conflito inconsciente para não sentir prazer/desprazer na consciência.

             O Eu verdadeiro, nem sempre revelado para a consciência, se expressa na potencialidade à qualidade da alma humana. E a não expressão deste Eu verdadeiro leva o indivíduo à doença, que tanto pode se manifestar no psíquico ou no corpo biológico - macromicro.

             A psicoterapia revela o conflito inconsciente à tomada de consciência da potencialidade da pessoa. As essências florais ampliam o processo psicoterápico, facilitando a compreensão da interpretação feita pelo psicoterapeuta que sinaliza a inibição desta potencialidade. Podemos dizer que as essências florais são interpretações em “gotas” ou a “vibração das palavras engolidas” (metáfora), são mensagens vibracionais, são energias sutis.

             Ao longo do tempo em utilizar essências florais num processo psicoterápico identifiquei que as palavras interpretadas pelo psicoterapeuta apontando o conflito, associado com a essência floral que vibra a mesma freqüência do conflito é recebida pelos órgãos dos sentidos ocorrendo ressonância. Daí segue um caminho para o cérebro, onde serão processados, agindo no organismo através dos receptores nervosos, desencadeando uma reação físico-quimica gerando uma corrente eletromagnética. Quando  acontece a ressonância intensifica a força vital contida na essência floral processando a cura – “(...) a ação e o pensamento errado são corrigidos” - Bach.

             Sobre os receptores nervosos: Flower Essences and Vibrational Healing (Essências florais e cura vibracional) de Gurudas, transmitido mediunicamente por Kevin Ryerson, descrito no livro Medicina Vibracional de Richard Gerber ed. Cultrix, 1988 pág. 205. Citando: “As essências florais (...), quando ingeridas ou usadas como ungüento, percorrem um caminho especifico através dos corpos físico e sutil. Inicialmente, eles passam pelo sistema circulatório (a corrente sanguínea). Em seguida, o remédio deposita-se a meio caminho entre os sistemas nervoso e circulatório. Nesse ponto, a polaridade entre os dois sistemas gera uma corrente eletromagnética. Existe na verdade uma estreita ligação entre esses dois sistemas e a força vital e a consciência, ligação essa que a ciência moderna ainda não compreende. A força vital atua mais através do sangue, enquanto a consciência atua através do cérebro e do sistema nervoso. Esses dois sistemas apresentam propriedades quatziformes e uma corrente eletromagnética.  As células do sangue, especialmente os glóbulos brancos e vermelhos, apresentam propriedades quartziformes mais destacadas, enquanto o sistema nervoso apresenta uma corrente magnética mais intensa. A força vital e a consciência utilizam estas propriedades para penetrar no corpo físico e estimulá-lo”.

             Ao unir esses conceitos, complementa e aumenta vibracionalmente a possibilidade de intervir na atitude contraditória que resulta numa ação errada ou mal compreendida pelo sujeito.

           Concluindo, faz-se uma nova proposta para o ingresso no campo da ciência, o remédio feito de flor - essências florais ou vibracionais – ciência das flores – utilizando como base a ciência do sentir.

 

 

         Retornar

 

 

 

 

Quem Somos

 

 

Gazeta Virtual

 

Núcleo de Concepções Filosóficas e Culturais

 

Núcleo de Ciências Acadêmicas e Para-Acadêmicas

 

Núcleo de Expressão Artística